EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Seja muito Bem-vindo!

Regista-te aqui e descobre a verdade sobre a "verdade"

Lê as regras e respeita-as

Alguma duvida a Adm/Mod está pronta a ajudar.



"Quando aceitamos tudo o que a Organização diz sem verificar, mostramos confiança na Organização. Mas, se mantivermos um espírito atento e examinarmos 'quanto a se estas coisas são realmente assim' (Atos 17:11), então, mostramos zelo para com Jeová. Para quem você mostra zelo?"

Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Página 11 de 14 Anterior  1 ... 7 ... 10, 11, 12, 13, 14  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Sara Mel em Ter Abr 08 2014, 14:33

@mjp escreveu:Not about anyone in particular...  Morrer a rir  Morrer a rir  Morrer a rir 


ninguém em particular a não ser eu!  Very Happy 
mas sou vaidosa sim senhora... sou mesmo! Considero que todas as mulheres tem que ter alguma vaidade, mesmo que no íntimo saibam que até nem grandes motivos para isso (my case!) mas que se lixe!!!!  Morrer a rir Morrer a rir  adoro a música... e a música não é para mim... assim diz a letra! Smile


Sara Mel
avatar
Sara Mel
Sócio APVIPRE
Sócio APVIPRE

Mensagens : 2743
Likes : 96
Data de inscrição : 26/11/2012
Idade : 44
Localização : Norte

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Índigo em Ter Maio 06 2014, 00:12

A razão por que a despedida nos dói tanto é que nossas almas estão ligadas.

Talvez sempre tenham sido e sempre serão.

Talvez nós tenhamos vivido mil vidas antes desta e em cada uma delas nós nos encontramos.

E talvez a cada vez tenhamos sido forçados a nos separar pelos mesmos motivos.

Isso significa que este adeus é ao mesmo tempo um adeus pelos últimos dez mil anos e um prelúdio do que virá.


by Nicholas Sparks


Vamos trabalhar juntos para manter neste fórum um ambiente limpo e amigável. Bons comentários!
avatar
Índigo
Colaborador
Colaborador

Mensagens : 3419
Likes : 229
Data de inscrição : 07/05/2012
Idade : 37
Localização : Norte

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Filino Rupro em Qui Maio 08 2014, 17:52

Hoje está a chover...


O amor tem pressa, não sabe esperar
Quer concretizar-se num beijo
Impaciente, ardendo em desejo
Correr ao teu encontro, te abraçar

Necessidades primaveris
Vontades varonis
Que a natureza acorda
Paixão que transborda

E olho pela janela lá fora
O Sol atrasou-se, demora
E quero-te tanto neste instante
E há nuvens, estás distante...

Há um reflexo em que me revejo
Estou triste, a ânsia por um beijo
A necessidade do teu corpo no meu
E está escuro, não vejo o céu

Sei que humedeces por mim
Nessa inquietação de querer
Tu e eu num ardente festim
Mas, hoje está a chover...

O coração é pássaro preso
Latejam as fontes neste querer
Estandarte erguido e aceso
Mas, hoje está a chover...

Hoje está a chover...


por Mitro Vorga
e veio daqui



avatar
Filino Rupro
Membros
Membros

Mensagens : 1300
Likes : 96
Data de inscrição : 06/12/2012
Idade : 47
Localização : Aveiro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por TJ Curioso em Dom Maio 25 2014, 19:37

Is Death An Illusion? Evidence Suggests Death Isn’t the End

After the death of his old friend, Albert Einstein said “Now Besso has departed from this strange world a little ahead of me. That means nothing. People like us … know that the distinction between past, present and future is only a stubbornly persistent illusion.”

New evidence continues to suggest that Einstein was right – death is an illusion.

Our classical way of thinking is based on the belief that the world has an objective observer-independent existence. But a long list of experiments shows just the opposite. We think life is just the activity of carbon and an admixture of molecules – we live awhile and then rot into the ground.

We believe in death because we’ve been taught we die. Also, of course, because we associate ourselves with our body and we know bodies die. End of story. But biocentrism – a new theory of everything – tells us death may not be the terminal event we think. Amazingly, if you add life and consciousness to the equation, you can explain some of the biggest puzzles of science. For instance, it becomes clear why space and time – and even the properties of matter itself – depend on the observer. It also becomes clear why the laws, forces, and constants of the universe appear to be exquisitely fine-tuned for the existence of life.

Until we recognize the universe in our heads, attempts to understand reality will remain a road to nowhere.

Consider the weather ‘outside’: You see a blue sky, but the cells in your brain could be changed so the sky looks green or red. In fact, with a little genetic engineering we could probably make everything that is red vibrate or make a noise, or even make you want to have sex like with some birds. You think its bright out, but your brain circuits could be changed so it looks dark out. You think it feels hot and humid, but to a tropical frog it would feel cold and dry. This logic applies to virtually everything. Bottom line: What you see could not be present without your consciousness.

In truth, you can’t see anything through the bone that surrounds your brain. Your eyes are not portals to the world. Everything you see and experience right now – even your body – is a whirl of information occurring in your mind. According to biocentrism, space and time aren’t the hard, cold objects we think. Wave your hand through the air – if you take everything away, what’s left? Nothing. The same thing applies for time. Space and time are simply the tools for putting everything together.

Consider the famous two-slit experiment. When scientists watch a particle pass through two slits in a barrier, the particle behaves like a bullet and goes through one slit or the other. But if you don’t watch, it acts like a wave and can go through both slits at the same time. So how can a particle change its behavior depending on whether you watch it or not? The answer is simple – reality is a process that involves your consciousness.

Or consider Heisenberg’s famous uncertainty principle. If there is really a world out there with particles just bouncing around, then we should be able to measure all their properties. But you can’t. For instance, a particle’s exact location and momentum can’t be known at the same time. So why should it matter to a particle what you decide to measure? And how can pairs of entangled particles be instantaneously connected on opposite sides of the galaxy as if space and time don’t exist? Again, the answer is simple: because they’re not just ‘out there’ – space and time are simply tools of our mind.

Death doesn’t exist in a timeless, spaceless world. Immortality doesn’t mean a perpetual existence in time, but resides outside of time altogether.

Our linear way of thinking about time is also inconsistent with another series of recent experiments. In 2002, scientists showed that particles of light “photons” knew – in advance – what their distant twins would do in the future. They tested the communication between pairs of photons. They let one photon finish its journey – it had to decide whether to be either a wave or a particle. Researchers stretched the distance the other photon took to reach its own detector. However, they could add a scrambler to prevent it from collapsing into a particle. Somehow, the first particle knew what the researcher was going to do before it happened – and across distances instantaneously as if there were no space or time between them. They decide not to become particles before their twin even encounters the scrambler. It doesn’t matter how we set up the experiment. Our mind and its knowledge is the only thing that determines how they behave. Experiments consistently confirm these observer-dependent effects.

Bizarre? Consider another experiment that was recently published in the prestigious scientific journal Science (Jacques et al, 315, 966, 2007). Scientists in France shot photons into an apparatus, and showed that what they did could retroactively change something that had already happened in the past. As the photons passed a fork in the apparatus, they had to decide whether to behave like particles or waves when they hit a beam splitter. Later on – well after the photons passed the fork – the experimenter could randomly switch a second beam splitter on and off. It turns out that what the observer decided at that point, determined what the particle actually did at the fork in the past. At that moment, the experimenter chose his past.

Of course, we live in the same world. But critics claim this behavior is limited to the microscopic world. But this ‘two-world’ view (that is, one set of physical laws for small objects, and another for the rest of the universe including us) has no basis in reason and is being challenged in laboratories around the world. A couple years ago, researchers published a paper in Nature (Jost et al, 459, 683, 2009) showing that quantum behavior extends into the everyday realm. Pairs of vibrating ions were coaxed to entangle so their physical properties remained bound together when separated by large distances (“spooky action at a distance,” as Einstein put it). Other experiments with huge molecules called ‘Buckyballs’ also show that quantum reality extends beyond the microscopic world. And in 2005, KHC03 crystals exhibited entanglement ridges one-half inch high, quantum behavior nudging into the ordinary world of human-scale objects.

We generally reject the multiple universes of Star Trek as fiction, but it turns out there is more than a morsel of scientific truth to this popular genre. One well-known aspect of quantum physics is that observations can’t be predicted absolutely. Instead, there is a range of possible observations each with a different probability. One mainstream explanation, the “many-worlds” interpretation, states that each of these possible observations corresponds to a different universe (the ‘multiverse’). There are an infinite number of universes and everything that could possibly happen occurs in some universe. Death does not exist in any real sense in these scenarios. All possible universes exist simultaneously, regardless of what happens in any of them.

Life is an adventure that transcends our ordinary linear way of thinking. When we die, we do so not in the random billiard-ball-matrix but in the inescapable-life-matrix. Life has a non-linear dimensionality – it’s like a perennial flower that returns to bloom in the multiverse.

“The influences of the senses,” said Ralph Waldo Emerson “has in most men overpowered the mind to the degree that the walls of space and time have come to look solid, real and insurmountable; and to speak with levity of these limits in the world is the sign of insanity.”

Para mais informações ler aqui:
http://www.robertlanzabiocentrism.com/is-death-an-illusion-evidence-suggests-death-isnt-the-end/

Site oficial: http://www.robertlanzabiocentrism.com


"Não me calarei perante a perversidade de homens que se colocam como deuses entre os demais e que tentam silenciar aqueles que lhes fazem frente."
avatar
TJ Curioso

Mensagens : 9135
Likes : 425
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 45

Ver perfil do usuário http://www.extj.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por mjp em Dom Jun 29 2014, 11:22

Opiniões são opiniões, não são maneiras de ser e, muitos menos, revelações de carácter.

Pensamentos não são convicções, são passos em direcção a novas descobertas.

Novas descobertas, são outras realidades, que desde tempos remotos ansiosamente aguardavam pelo pensamento humano, para o ajudar no caminho da felicidade, e não para derrubar as que anteriormente ele já descobrira, e que o estabeleciam já nalgumas verdades solidamente sustentadas.

Se o cosmos existe, é pela harmonia da sua concepção, estejam já todas descobertas, ou muitas mais faltem ainda descobrir, as leis que o regem e equilibram.

Uma verdade, só o pode ser, se não desequilibrar a outra que consigo coabita, seja qual for a primeira que tenha sido percebida pela inteligência do pensamento que a revelou.

Onde há colisão, não há adaptação, mas, somente, destruição; pois que se uma lei é válida para a evolução do cosmos material, não necessariamente tem de ser válida para a evolução do mundo dos homens. Os calhaus não sofrem angustias, não gemem, não passam fome nem morrem; a humanidade, essa, sim.

mjp

Um resto de um bom Domingo e, até qualquer dia, outra vez, se Deus quiser.
avatar
mjp
Forista desativado

Mensagens : 6491
Likes : 223
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 58
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por mjp em Qua Jul 16 2014, 00:41

"Sem amor não há coração. O coração não é uma faculdade particular - o coração é o homem na medida em que ama."
Ludwig Feuerbach (sic)

"Poder estar sozinho é um sinal de força de pensamento e de carácter. A solidão é a necessidade do pensamento, a companhia a necessidade do coração. Pode-se pensar sozinho, mas amar só a dois."
Ludwig Feuerbach (sic)
avatar
mjp
Forista desativado

Mensagens : 6491
Likes : 223
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 58
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por mjp em Qua Jul 16 2014, 01:56

DEUS E O MERCADO, NO PENSAMENTO ILUMINISTA DE ENTÃO E DE AGORA ( mas mais e muitíssimo mais).

Quem vos dá o melhor que consegue...

Philipp Blom
 

   Nossa cultura ainda está saturada com a maneira cristã e teológica de pensar que desde a nossa infância é fixada em nossa mente e se tornaram padrões fixos de pensamento, reflexos da mente. Se pensamos sobre o futuro, o vemos instintivamente em termos de paraíso e apocalipse. Com o fim das grandes ideologias, o primeiro saiu de moda, mas continuamos criando bastante cenários apocalípticos enquanto ao mesmo tempo continuamos seguindo como antes. Se é a mudança climática ou Fukushima, a bomba iraniana ou a crise econômica - sabemos que iremos perecer.

   Nos filmes de Hollywood, que é a forma dominante de contar histórias na nossa cultura, é visto como obsceno mostrar um corpo nu, pior ainda sexo explícito. Ao mesmo tempo, parece menos reprovável ver em detalhes intoleráveis a tortura de um corpo. Não seria a melhor ilustração da sobrevivência do ódio cristão contra o corpo sensual? Sofrimento: bom - prazer: mau.

   O pensamento teológico impregna nossos debates sem que nos demos conta. Pesquisa de células tronco e clonagem, manipulação genética e eutanásia - a ideia de que 'não podemos brincar de Deus' é geralmente utilizada, algumas vezes de maneira implícita.

   O nosso mundo de consumo também está compenetrado por nossos condicionamentos cristãos. Nossos avós dobravam seus joelhos diante de ícones e imagens de santos cuja perfeição era inalcançável. Os santos os inspiravam a jejuar, castigar a si próprios e se tornar conscientes de suas próprias fraquezas. Nós excluímos os ícones religiosos de nossa vida cotidiana. Aparentemente, porque os ícones dos comerciais possuem quase o mesmo efeito sobre nós. Dolorosamente, eles nos tornam conscientes de nossos defeitos - nós não somos 'cool' o suficiente, jovens o suficiente, magros o suficiente, ricos o suficiente - e eles nos inspiram a emagrecer, a nos diminuir, em vão, para atingir um mundo melhor, o céu do comercial. George Clooney como anjo do Nespresso é o ícone perfeito da transcendência do consumindor consciente de estilo.

   Em nosso aparente mundo secularizado, as convicções religiosas continuam tendo privilégios sobre outros, como se as convicções dos cidadãos seculares fossem menos invioláveis. Quando a Benetton lançou sua mais recente campanha com o objetivo de escandalizar, Unhate, na qual se viam adversários políticos internacionalmente conhecidos que, em montagens fotográficas, se beijavam na boca, uma foto foi recolhida porque era ofensiva: a imagem do papa Bento XVI com o líder espiritual islamita Ahmed Mohamed el-Tayeb. Logicamente, Mahmoud Abbas e seus discípulos tinham menos direito de ficar irados com a imagem na qual ele faz beicinho para Benjamin Netanyahu, ou Barack Obama com Hugo Chávez.

   Nós não abandonamos a teologia e continuamos acreditando. As igrejas estão vazias, os partidos políticos definham, as ideologias murcham, mas nossa religião está intacta. Ela só tem outro nome: mercado.

   O mercado é algo potente. Ele tem vontade própria e nós precisamos obedecê-lo, seguir seu menor capricho. Em cada programa de notícias que é transmitido, ficamos sabendo de como andam as bolsas de valores; todo telespectador acha normal termos como FTSE e Dow Jones. De fato, essa informação é duplamente supérflua. Para os investidores é muito pouco, chega tarde demais e é muito genérica, o que a torna inútil. Para os demais, é irrelevante. Mas cria a ilusão de que essa é a realidade objetiva, de que isso determina nossas vidas, que faz com que nosso mundo continue se movendo, muito mais importante do que a política ou a democracia. O mercado tornou-se nossa divindade; nossa mídia é o seu evangelho, Wall Street é a catedral. As metáforas mudaram - nossas instituições religiosas estão cheias de vida. Esse é o primeiro paradoxo da razão e paixão: nossa admiração pela razão parece ser ditada por uma motivação que é estritamente irracional - um anseio à crença.

   Se o nosso iluminismo depois de tanto tempo não é tão iluminado como talvez nós havíamos pensado, então isso pode ser exatamente a chave para o seu sucesso. Uma cultura que é impregnada com o pensamento religioso não precisa tentar intervir para mudar; ela precisa principalmente adaptar suas metáforas e expressões idiomáticas. Assim não é nenhuma surpresa que a Revolução Francesa rapidamente se tornou a religião da razão (e tendo ironicamente, Rousseau como profeta). Ainda que superficialmente fossem contrários ao cristianismo, os defensores da revolução não conseguiram se libertar da teologia.

   Mas antes da Revolução um outro iluminismo tentou repensar o mundo de uma maneira mais fundamental. Em Paris, reuniam-se no salão do barão Paul Thiry d'Holbach um grupo de filósofos e cientistas que formulavam uma alternativa para a adoração da razão, ainda que eles vissem a razão como algo crucial para a aspiração humana.

   Holbach, seu amigo Diderot e outros em seus círculos iam contra os moderados do iluminismo e declaravam que nós não somos seres fundamentalmente racionais, cuja libertação está em sermos ainda mais racionais, mas que nós, primeiramente, somos apaixonados e depois racionais, e que nosso corpo desejoso não é algo que devemos combater, mas sim cultivar e educar.

   Essa mudança, aparentemente insignificante, tem enormes implicações. Os iluminados radicais eram anti-cristãos e ateístas e não acreditavam na existência de um próximo mundo, uma outra realidade, superior. Em um universo desenvolvido e sem propósito não há lugar para criações divinas e intervenções. Além disso, quando partimos do princípio de que o céu é um espaço infinito, então nosso corpo apaixonado não é uma barreira para uma existência de uma alma pura, haja vista que a paixão não é pecaminosa e nem precisa estar sob pressão.

   Na hora em que somos colocados em nosso lugar entre os animais e logo que nossa natureza apaixonada é reconhecida não como um entrave para a existência da mente mas como nossa real constituição, então a imagem muda totalmente. Contrária à ideia dos iluminados moderados da razão como alfa e ômega da felicidade humana, os radicais jouissance estabeleciam o sensual como suficiente. Nossa impulso erótico não é apenas energia fundamental mas também, antecipando Darwin, o objetivo de nossa existência.

   Se a lascívia não é censurável então as sociedades não serão baseadas na rejeição dela. E se não existem altas hierarquias impostas à sociedade, sem poderes superiores, então todos possuem direito de almejar a felicidade, como os founding fathers estadunidenses escreveram. Igualdade e liberdade universal se tornam fundamental.

       É fácil compreender porque a burguesia do século 19 escolheu Kant e Voltaire ao invés de Diderot e Holbach para justificar o capitalismo laissez-faire que dava tudo a eles próprios e nada aos seus trabalhadores. Afinal de contas, a elite iluminada era composta daqueles com formação superior e os tutores da moral cristã. É da mesma forma claro porque ditadores, de Lenin a Pol Pot seguiram o exemplo de Robespierre e adoravam Rousseau, cujo pensamento social pressupõe que é necessário que um sábio legislador tem direito de usar a repressão para coagir toda a população a viver de acordo com a natureza de Deus.

   Menos clara mas muito mais importante é a compreensão de que nossa própria sociedade ainda não fugiu do chamariz dessa tradição e das ideias fundamentais dessa teologia, e que uma alternativa poderia desimpedir o caminho para uma sociedade mais justa e mais realizada individualmente.

   Aqui meu entusiasmo é brecado por minha própria fonte de inspiração, Diderot acreditava que o iluminismo termina fora da cidade, onde as pessoas são ignorantes e trabalham arduamente para entender esse tipo de ideias; que eram fundamentalmente céticas sobre a desejável e certeza possível real democracia.

   O problema subjacente, no qual o próprio Diderot se atracava, era uma luta filosófica que ele combatia como pensador moderno. Ele nasceu em uma família religiosa, se tornou um materialista e desgarrou-se da crença de seus pais, mas não perdeu a nostalgia da sua crença. Ele desejava a possibilidade da crença, do sentimento de pertencer a algo, da segurança de dar um sentido para o sofrimento sem sentido, mas que não podia mais aceitar o racional. "Meu coração quer ir numa direção, minha cabeça em outra", suspirava ele - e escolheu seguir sua cabeça.

   Diderot inverte o paradoxo: somente se a razão assume seu lugar como serva e contribuidora para uma vida de paixão é que podemos compreender a natureza humana e darmos forma à nossa vida através dela. O que nós poderíamos ganhar com isso é uma vida vivida completamente, uma sociedade com valores que são mais benéficos para a felicidade humana. Mas o preço disso é a crença no maior planejamento racional do mundo.

   Se eu utilizo minhas próprias palavras para resumir o dilema de Diderot em um novo paradoxo, chegamos, na minha opinião, à questão de contar histórias e construir metáforas.

   Como Diderot nós também queremos muito acreditar que existe um sentido objetivo no mundo, que o universo foi criado com uma intenção clara e objetivo definido e que nós precisamos cumprir com uma tarefa. Isso não é apenas uma ilusão. Muito provavelmente a nossa necessidade à significado, estrutura e objetivo é uma constante antropológica, na qual nossa mente é arraigada. Em grande parte, é o que nos torna humanos.
   
   Tecnologia e ciência são possíveis porque nós conseguimos ver possibilidades de uso em objetos naturais e materiais, para projetar nosso próprio mundo, nossas necessidades e desejos, no mundo fora de nós, para descobrir que galho e pedra podem juntos se transformar em uma ferramenta. Mas a cultura também é provida dessa forma. Damos sentido a processos naturais aparentemente sem sentido através dos mitos, projetamos sentido no mundo por contar histórias a nós mesmos e sobre nosso lugar nele.

   Os pensadores do iluminismo radical supõem que a paixão - a vontade de algo - era a força fundamental da vida e, portanto de nós próprios. Na linguagem dos mitos poderia soar dessa maneira: Eros nos domina. Ele nos atira ao mundo e nos permite desejar algo ou alguém. Mas como ele é um deusinho anarquista ele nos envia a desejos que, com frequência são inconvenientes ou fora do alcance. Ele deixa a ordem estabelecida confusa e semeia o caos e a perturbação - a inspiração de inúmeras comédias e tragédias.

   A soberania de Eros poderia levar à jouissance de Diderot, mas levaria ainda mais à frustrações e mesmo tristeza. Por desejos, experienciamos nossas falhas e perdas. Gostamos de pessoas que não gostam da gente, queremos alcançar objetivos que continuam a deslizar, ficamos de luto por pessoas que gostamos quando elas nos deixam, ou nos são arrebatadas por causa de doenças e morte. A vida como nós conhecemos nos oferece poucas justificativas  para otimismo, para olhar para frente, para esperança. Se somos libertos do jugo das ideias religiosas, da crença em uma vida após essa vida e na rejeição desse mundo ao nosso desejo de prosseguir, então ainda somos confrontados com nossa contínua impossibilidade de realizar nossos desejos. Chamemos isso de hedonismo trágico.

   O antídoto contra o caos paralisante que frustra nossos desejos é tão antigo quanto a humanidade. Contar histórias nos permite projetar ordem e significado em nossa própria experiência do mundo. Em nossas histórias, o menino encontra uma menina e perde a menina, mas no final a encontra; intenções tornam-se realidades, virtude é recompensada e astúcia é punida. Nas histórias, em todo o caso, na sua forma mais basal, o mundo tem uma estrutura significativa que - quão frustrante - não tem uma realidade.

   Por histórias, por nossa teimosa crença na possibilidade de felicidade, algumas de nossas intenções se tornam realidade. Seus desejos farão com que você se apaixone por um homem ou uma mulher, mesmo que seu cérebro racional diga a você que o amor traz frequentemente frustrações, que eles sempre terminam em dor e amargura, que um terço dos casamentos acabam em divórcio. Mas você não ouve a voz racional, não, você começa a contar histórias para você mesmo, histórias de amor, sobre felicidade eterna.

       Todos nós possuimos instintos culturais e pessoais que levamos em nosso pensamento, coisas as quais nós gostaríamos muito que fossem realidade, mas que é muito importante tentar pesquisar na intensa luz da razão e estar preparado para abandoná-los - muito provavelmente contra nossos mais profundos desejos. Por fim, não é tudo o que nós queremos que o caso é realmente o caso. E a filosofia, finalmente, não se concentra apenas em fazer as perguntas certas (um primeiro e essencial passo) mas também em aprender a viver com a resposta à essas perguntas. Aqui as convicções políticas podem aprender alguma coisa.

    Voltando à ideia de contar histórias, chegamos a uma conclusão que é ao mesmo tempo paradoxa e inevitável. Somos animais que contam histórias; não há outra escolha. O problema começa onde não se é mais possível diferenciar entre a situação e a história que nós mesmos nos contamos sobre o que aconteceu. A partir do momento que acreditamos nas nossas próprias histórias como a verdade literal, perdemos a ligação com o mundo.

   O paradoxo está no fato que nós temos presos a uma história para poder colher os frutos psicológicos dela, para suspender a descrença, como bem disse Coleridge. Se lemos Anna Karenina de Tolstói como um exercício de escrita formal não teremos acesso ao espírito da história. Só se considerarmos que Anna é real, que a sua dor e esperança são tão reais como as nossas, iremos exprienciar da maneira como nós queremos e precisamos. Mas ao mesmo tempo, nenhum leitor adulto irá a um arquivo russo para procurar a data de nascimento, certidão de casamento ou o último endereço conhecido dela. Porque afinal de contas nós sabemos que é uma história inventada.

   Esse é o paradoxo de contar histórias, e mesmo que pareça insolúvel, é resolvido literalmente por cada criança que, em um momento, decide que ele ou ela é o Homem Aranha ou uma princesa e, no momento seguinte, abandona essa forma de existir. Crianças sabem intuitivamente como eles devem se movimentar entre as histórias que eles se contam a si mesmos e o resto da suas vidas. Para todas as outras pessoas é algo que precisamos reaprender: contar histórias sem ficar preso à elas, usar a força delas sem tornar-se limitado por causa delas.

   Histórias são sempre uma dramatização de nossos valores e nossas esperanças. Elas nos contam quem nós somos e nosso relaiconamento com ele é necessariamente paradoxal, entre envolvimento e desprendimento, entre crença e descrença. Se acreditamos pouco nos tornamos impotentes, se acreditamos muito nos tornamos prisioneiros. A história de nossa própria civilização contada através da mídia, filmes, romances e conversas cotidianas são o que gradualmente passamos a e tratar como a Verdade. É a história do racionalismo, do iluminismo moderado que carrega ideias teológicas e cristãs e que tomam nova forma no vocabulário secular, uma história da razão, da transcendência, da separação entre corpo e alma, a valorização positiva da dor, o paraíso e o apocalipse, desconfiança contra o desejo, a crença em uma força objetiva histórica que antigamente chamavamos de Deus mas que atualmente chamamos de 'mercado'. Atualmente não temos mais lucro nisso.

   Pensar no iluminismo radical vem de uma tradição onde paixão e solidariedade, empatia e simpatia levam a uma vida liberta que é avaliada por valores, uma vida baseada na ideia de que Eros, e não a razão, é a força condutora que existe por trás da nossa existência. Já está na hora de contamos uma nova história para nós mesmos.

Essa é uma versão editada do pronunciamento do historiador Philipp Blom de 8 de dezembro no seminário 'Marchant', organizado pela associação Hans van Mierlo, do partido holandês de centro-esquerda D66. Philipp Blom é autor de "A Wicked Company: The Forgotten Radicalism of the European Enlightenment”
avatar
mjp
Forista desativado

Mensagens : 6491
Likes : 223
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 58
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por hocosi em Seg Jul 21 2014, 13:12

Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes. É assim que as espigas sem grãos erguem desdenhosamente a cabeça para o Céu, enquanto que as cheias as baixam para a terra, sua mãe.
Leonardo da Vinci



"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro. A real tragédia da vida são os adultos que têm medo da luz" . Platão
avatar
hocosi
Moderador
Moderador

Mensagens : 2828
Likes : 370
Data de inscrição : 28/12/2011
Idade : 62
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Kristy123 em Seg Jul 21 2014, 13:18

Grande Leonardo da Vinci !
 I love you
avatar
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4603
Likes : 270
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 99
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Investigando a Torre em Seg Jul 21 2014, 13:24

@Kristy123 escreveu:Grande Leonardo da Vinci !
 I love you

■Face, do queixo ao topo da testa -> 1/10 da altura do corpo.
■Palma da mão, do pulso ao topo do dedo médio: -> 1/10 da altura do corpo.
■Cabeça, do queixo ao topo: -> 1/8 da altura do corpo.
■Base do pescoço às raízes do cabelo: -> 1/6 da altura do corpo.
■Meio do peito ao topo da cabeça: -> 1/4 da altura do corpo.
■Pé: -> 1/6 da altura do corpo.
■Largura do peito: -> 1/4 da altura do corpo.
■Largura da palma da mão: -> quatro dedos.
■Largura dos braços abertos: -> altura do corpo.
■Umbigo: -> centro exato do corpo.
■Base do queixo à base das narinas: -> 1/3 da face.
■Nariz, da base às sobrancelhas: -> 1/3 da face.
■Orelha: -> 1/3 da face.
■Testa: -> 1/3 da face.

IT


Vamos trabalhar juntos para manter neste fórum um ambiente limpo e amigável. Bons comentários!

"Quem alberga a Verdade no seu coração, não deve temer que lhe falte força na língua e persuasão"
J. RUSKIN
«Stones of Venice», 11
avatar
Investigando a Torre
Admin
Admin

Mensagens : 8496
Likes : 319
Data de inscrição : 21/09/2011
Idade : 59
Localização : Vila Nova de Santo André

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por hocosi em Seg Jul 21 2014, 13:58

@Investigando a Torre escreveu:
@Kristy123 escreveu:Grande Leonardo da Vinci !
 I love you

■Face, do queixo ao topo da testa -> 1/10 da altura do corpo.
■Palma da mão, do pulso ao topo do dedo médio: -> 1/10 da altura do corpo.
■Cabeça, do queixo ao topo: -> 1/8 da altura do corpo.
■Base do pescoço às raízes do cabelo: -> 1/6 da altura do corpo.
■Meio do peito ao topo da cabeça: -> 1/4 da altura do corpo.
■Pé: -> 1/6 da altura do corpo.
■Largura do peito: -> 1/4 da altura do corpo.
■Largura da palma da mão: -> quatro dedos.
■Largura dos braços abertos: -> altura do corpo.
■Umbigo: -> centro exato do corpo.
■Base do queixo à base das narinas: -> 1/3 da face.
■Nariz, da base às sobrancelhas: -> 1/3 da face.
■Orelha: -> 1/3 da face.
■Testa: -> 1/3 da face.

IT


A Divina Proporção. Morrer a rir 



"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro. A real tragédia da vida são os adultos que têm medo da luz" . Platão
avatar
hocosi
Moderador
Moderador

Mensagens : 2828
Likes : 370
Data de inscrição : 28/12/2011
Idade : 62
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Kristy123 em Seg Jul 21 2014, 14:17

IT,
Depois não me digas, que fui eu que vim estragar o tema deste tópico.
 Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 

avatar
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4603
Likes : 270
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 99
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Investigando a Torre em Seg Jul 21 2014, 14:41

@Kristy123 escreveu:IT,
Depois não me digas, que fui eu que vim estragar o tema deste tópico.
 Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 
1º) Raramente faço esse tipo de observação (isso mais 'manias' do ellipsis...  Morrer a rir )
2º) Este tópico é generalista
3º) Onde é que eu estraguei o tema do tópico?
(Até o enriqueci... será que não percebeste!)  Morrer a rir 

IT


Vamos trabalhar juntos para manter neste fórum um ambiente limpo e amigável. Bons comentários!

"Quem alberga a Verdade no seu coração, não deve temer que lhe falte força na língua e persuasão"
J. RUSKIN
«Stones of Venice», 11
avatar
Investigando a Torre
Admin
Admin

Mensagens : 8496
Likes : 319
Data de inscrição : 21/09/2011
Idade : 59
Localização : Vila Nova de Santo André

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Kristy123 em Seg Jul 21 2014, 14:46

Eu nunca percebo nada do que tu dizes...  Morrer a rir  Morrer a rir 

Aliás, eu até disse:
Depois não me digas, que fui eu que vim estragar o tema deste tópico.

Sendo assim, posso colocar mais uma aqui?
Queres mais uma?
avatar
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4603
Likes : 270
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 99
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Investigando a Torre em Seg Jul 21 2014, 14:55

@Kristy123 escreveu:

Consegui ler o texto até ao fim, contrariamente a outros pensamentos que se escrevem por aqui e garanto-te que o mesmo enferma de algumas incorrecções no que me diz respeito, ao nível dos polegares...  Morrer a rir Morrer a rir 
Talvez seja só publicidade enganosa...  Evil or Very Mad 
Pronto, lá consegui estragar o tópico! Estava a ver que não...  Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 

IT


Vamos trabalhar juntos para manter neste fórum um ambiente limpo e amigável. Bons comentários!

"Quem alberga a Verdade no seu coração, não deve temer que lhe falte força na língua e persuasão"
J. RUSKIN
«Stones of Venice», 11
avatar
Investigando a Torre
Admin
Admin

Mensagens : 8496
Likes : 319
Data de inscrição : 21/09/2011
Idade : 59
Localização : Vila Nova de Santo André

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Kristy123 em Seg Jul 21 2014, 14:56

Quem cala, consente.
Toma.

avatar
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4603
Likes : 270
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 99
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Kristy123 em Seg Jul 21 2014, 15:05

Olha que engraçado, postámos os dois ao mesmo tempo!

Concordo contigo que há muita publicidade enganosa por aí...

Agora temos que chamar o Leonardo de Caprio...
porque desconfio que o Leonardo da Vinci terá ficado
chateado com nós os dois.
avatar
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4603
Likes : 270
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 99
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Investigando a Torre em Seg Jul 21 2014, 15:55

@Kristy123 escreveu:Olha que engraçado, postámos os dois ao mesmo tempo!

Concordo contigo que há muita publicidade enganosa por aí...

Agora temos que chamar o Leonardo de Caprio...
porque desconfio que o Leonardo da Vinci terá ficado
chateado com nós os dois.

Pronto, eu já sabia que ias estragar o tópico com essas indirectas a Leonardo de Caprio.  Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 
O que é que essa amostra de gente tem que ver com a Divina Proporção por mim apresentada e perfeitamente entendida pelo hocosi?

1,618

IT


Vamos trabalhar juntos para manter neste fórum um ambiente limpo e amigável. Bons comentários!

"Quem alberga a Verdade no seu coração, não deve temer que lhe falte força na língua e persuasão"
J. RUSKIN
«Stones of Venice», 11
avatar
Investigando a Torre
Admin
Admin

Mensagens : 8496
Likes : 319
Data de inscrição : 21/09/2011
Idade : 59
Localização : Vila Nova de Santo André

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Kristy123 em Seg Jul 21 2014, 18:31

Essa amostra de gente..... o Leonardinho???  Morrer a rir  Morrer a rir  Morrer a rir 

Desconheço a Divina Proporção por ti apresentada e não metas agora a do hocosi ao barulho.   Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 

Primeiro dizes que foste tu que estragaste este tópico e agora dizes que fui só eu.
 Chorar 
Pronto... está bem.... a culpa é sempre minha.   Chorar 
Toma lá mais uma bicicleta. Qualquer dia tens que arranjar um armazém para colocares as bicicletas que eu te vou dando.  Morrer a rir  Morrer a rir 

Agora só gostava que me explicasses (depois de tirares a fita-metrica da mão)
o que quer dizer:  1,618

 Hmmmm...
avatar
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4603
Likes : 270
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 99
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Investigando a Torre em Seg Jul 21 2014, 18:48

@Kristy123 escreveu:Essa amostra de gente..... o Leonardinho???  Morrer a rir  Morrer a rir  Morrer a rir 

Desconheço a Divina Proporção por ti apresentada e não metas agora a do hocosi ao barulho.   Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 
.
.
.
.
Agora só gostava que me explicasses (depois de tirares a fita-metrica da mão)
o que quer dizer:  1,618


 Hmmmm...

Acredita que eu não tenho parado de rir...  Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 
O tal de Leonardinho... só se for PI (3,141592653589793238462643383279502884197169399375)

Quanto a 1,618 ... é a Divina Proporção!  Morrer a rir 

IT


Vamos trabalhar juntos para manter neste fórum um ambiente limpo e amigável. Bons comentários!

"Quem alberga a Verdade no seu coração, não deve temer que lhe falte força na língua e persuasão"
J. RUSKIN
«Stones of Venice», 11
avatar
Investigando a Torre
Admin
Admin

Mensagens : 8496
Likes : 319
Data de inscrição : 21/09/2011
Idade : 59
Localização : Vila Nova de Santo André

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por hocosi em Seg Jul 21 2014, 18:52

@Investigando a Torre escreveu:
@Kristy123 escreveu:Essa amostra de gente..... o Leonardinho???  Morrer a rir  Morrer a rir  Morrer a rir 

Desconheço a Divina Proporção por ti apresentada e não metas agora a do hocosi ao barulho.   Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 
.
.
.
.
Agora só gostava que me explicasses (depois de tirares a fita-metrica da mão)
o que quer dizer:  1,618


 Hmmmm...

Acredita que eu não tenho parado de rir...  Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 
O tal de Leonardinho... só se for PI (3,141592653589793238462643383279502884197169399375)

Quanto a 1,618 ... é a Divina Proporção!  Morrer a rir 

IT

Em questão de comprimentos asseguro-vos que tenho a Divina Proporção. Quanto à largura o mesmo não posso dizer. Morrer a rir



"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro. A real tragédia da vida são os adultos que têm medo da luz" . Platão
avatar
hocosi
Moderador
Moderador

Mensagens : 2828
Likes : 370
Data de inscrição : 28/12/2011
Idade : 62
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Kristy123 em Seg Jul 21 2014, 20:23

IT,

Só porque andas a fazer pouco do PI do Leonardinho, vejo-me agora na obrigação de enviar uma foto minha para mostrar o meu PI :




hocosi.... também tu....  Morrer a rir Morrer a rir 

Cá por mim, todos aqui têm a divina proporção.... vocês são todos iguais...  Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir 

Agora eu e o Leonardinho formávamos uma dupla...  
e éramos um PI PI  Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir
avatar
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4603
Likes : 270
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 99
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por mjp em Ter Jul 22 2014, 01:44

Verifico, com enorme prazer, que existem aqui muitos apreciadores da obra de Leonardo da Vinci.

Foi num livro que li há muitos anos "Grandes Vidas, Grandes Obras", salvo erro publicado pela Bertrand (de então) que li as seguintes frases a ele atribuídas:

A paciência faz contra as ofensas o mesmo que as roupas fazem contra o frio; pois, se vestires mais roupas conforme o inverno aumenta, tal frio não te poderá afectar. De modo semelhante, a paciência deve crescer em relação às grandes ofensas; tais injúrias não poderão afectar a tua mente.
Leonardo da Vinci


Não se pode amar ou odiar quem não se conhece ainda.
Leonardo da Vinci


Todo o nosso conhecimento se inicia com sentimentos.
Leonardo da Vinci


Foi bom, terem-me lembrado dele.  Very Happy 

Mas esta frase... enche-me as "medidas".

Não, não são essas medidas de que têm vindo a falar...  Morrer a rir  Morrer a rir  Morrer a rir 

O amor é filho da compreensão; o amor é tanto mais veemente, quanto mais a compreensão é exata.
Leonardo da Vinci
avatar
mjp
Forista desativado

Mensagens : 6491
Likes : 223
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 58
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por mjp em Ter Jul 22 2014, 01:51

Desculpem-me. Fiquei "agarrado" a algumas frases dele.


Quanto mais conhecemos, mais amamos.
Leonardo da Vinci


Fantástica, esta. Não concordam?
avatar
mjp
Forista desativado

Mensagens : 6491
Likes : 223
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 58
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por hocosi em Ter Jul 22 2014, 08:55

Leonardo da Vinci era também um filosofo.
Alem do seu extraordinário poder de inventividade, Leonardo da Vinci era um amante da natureza. Pelo que parece era vegetariano e tinha o hábito de comprar pássaros engaiolados para de seguido os libertar.
Ele disse:
Chegará o tempo em que o homem conhecerá o íntimo de um animal e nesse dia todo crime contra um animal será um crime contra a humanidade.
Pudéssemos nós também libertar as pessoas engaioladas e presas mentalmente na Torre.



"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro. A real tragédia da vida são os adultos que têm medo da luz" . Platão
avatar
hocosi
Moderador
Moderador

Mensagens : 2828
Likes : 370
Data de inscrição : 28/12/2011
Idade : 62
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Excertos de literatura, Poesias e Pensamentos.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 11 de 14 Anterior  1 ... 7 ... 10, 11, 12, 13, 14  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum