EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Seja muito Bem-vindo!

Regista-te aqui e descobre a verdade sobre a "verdade"

Lê as regras e respeita-as

Alguma duvida a Adm/Mod está pronta a ajudar.



"Quando aceitamos tudo o que a Organização diz sem verificar, mostramos confiança na Organização. Mas, se mantivermos um espírito atento e examinarmos 'quanto a se estas coisas são realmente assim' (Atos 17:11), então, mostramos zelo para com Jeová. Para quem você mostra zelo?"

Foi há 40 anos: 909 beberam cianeto e era o fim do Templo do Povo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Foi há 40 anos: 909 beberam cianeto e era o fim do Templo do Povo

Mensagem por Altar em Dom Nov 18 2018, 18:55

Há 40 anos, a 18 de novembro de 1978, 909 pessoas - incluindo cerca de 300 bebés e crianças - ingeriram uma bebida famosa na altura: Fla-Vor-Aid. O refresco tinha cianeto. Foi o suicídio em massa dos membros da seita conhecida por Templo do Povo, mortes ordenadas pelo reverendo Jim Jones. Só 12 sobreviveram. O massacre aconteceu na selva de Guiana - a seita mudara-se para o país no norte da América do Sul. Antes do 11 de setembro de 2001, era a tragédia em que mais civis tinham morrido intencionalmente na história dos EUA. O líder da seita foi encontrado morto com um tiro na cabeça - aparentemente terá cometido suicídio.

Não era a primeira vez que Jim Jones, que criara um "paraíso socialista" na selva de Guiana a que chamou "Jonestown", obrigava os membros da seita a ingerir uma bebida supostamente envenenada. Nas chamadas "noites brancas", os que sobreviveram ao massacre recordam como a meio da noite, através dos altifalantes, ouviam a voz do líder a ordenar que saíssem de casa. Eram treinos para o que aconteceu há 40 anos. Mas, na altura, ninguém sabia se esse seria o dia em que teriam de morrer. Não havia como fugir: Jim Jones tinha homens armados à volta do local, prontos a disparar contra quem não seguisse as ordens de um líder poderoso.

A influência de Jones - que desde os cinco anos era um fanático por religião - explica-se também pelo contexto social e político das décadas de 1960 e 1970. Oriundo de uma família pobre, nasceu e cresceu no Indiana e começou a ficar conhecido por ser um acérrimo defensor da igualdade racial: a maioria dos membros do Templo do Povo era afro-americana. Aceitava todos na comunidade, sem os julgar: toxicodependentes e idosos, sem olhar a raças.

Da Califórnia para a selva de Guiana
Laura Johnson já tinha um passado como ativista quando se juntou ao Templo do Povo na Califórnia, onde começou a seita. Tinha 22 anos. À BBC conta como foi seduzida pelos ideais de Jim Jones, que falava de um iminente apocalipse nuclear e que após esse apocalipse a comunidade que estava a criar poderia viver de acordo com as suas próprias regras. Por enquanto, era preciso sair da Califórnia.

Escolheu Guiana, um sítio "extraordinariamente remoto", descreve o artigo da BBC, para formar o Projeto Agrícola do Templo do Povo - informalmente conhecido como Jonestown, em homenagem ao nome do seu líder. Os membros viviam em casas partilhadas e subsistiam com o que cultivavam. Mas o lugar não estava projetado para tantos habitantes - na altura eram mil - e começaram a passar fome.

Laura Johnson era um dos membros mais comprometidos com a seita. Jim Jones pediu-lhe para se mudar para Georgetown - a capital da Guiana, a 24 horas de barco - para trabalhar na sede da igreja. Não estava em Jonestown no dia do massacre e só foi por isso que sobreviveu.

Na sua opinião, o líder sabia o que fazia: familiares de membros da seita estavam a pressionar altos dirigentes políticos para investigar a seita e estava marcada uma visita do congressista californiano Leo Ryan. A sobrevivente só poderia falar bem do templo do Povo: adorava-o.

Apesar disso, a mulher revela que o "estado mental de Jim Jones estava a deteriorar-se e a experiência de Jonestown estava a começar a a falhar. "As pessoas acusavam-no de sequestrar os seus filhos, e os seus secretários fugiram com informações escandalosas sobre o que estava a acontecer". Jones vivia cada vez mais dependente de drogas e estava cada vez mais paranoico.

Visita de congressista acelerou suicídio em massa
Quando o congressista californiano Leo Ryan chegou a Jonestown, a 17 de novembro de 1978, tudo parecia correr bem. Mas alguns membros da seita passaram bilhetes aos jornalistas pedindo ajuda para fugir. A 18, dia do massacre, a delegação política - onde estavam 12 membros que tinham pedido para se irem embora de Guiana - estava na pista do aeroporto para embarcar quando homens armados, sob as ordens de Jones, dispararam contra Ryan e o resto da comitiva. O líder do Templo do Povo sabia que o fim se aproximava e que a verdade sobre a seita iria ser descoberta.

Em Jonestown, a "noite branca" acabou por acontecer durante o dia: os 909 membros fizeram fila para ingerirem os copos de sumo com cianeto. As crianças - mais de 300 - foram envenenadas primeiro: o seu choro pode ser ouvido na gravação que estava a ser feita e que foi depois recuperada pelo FBI. Só 12 pessoas, que tinham fugido para a selva, incluindo uma idosa que estava a dormir durante o suicídio em massa - sobreviveram.

Laura Johnson recorda o dia. Contaram-lhe que tinham recebido instruções para se matarem. 'Todos em Jonestown estão a morrer ou a ser mortos. Precisamos todos de cometer um suicídio revolucionário", era a mensagem. Dois filhos de Jones recusaram-se a fazê-lo e dissuadiram quem não estava na comunidade a seguir as instruções.

"Se eu estivesse em Jonestown e visse 900 pessoas que eu amava a fazer essa escolha, não posso imaginar querer sobreviver a isso", admite Laura Johnson.

Morreram, no total, 918 pessoas, incluindo as pessoas assassinadas na pista do aeroporto e o próprio mentor do Templo do Povo.

Um dos jornalistas que sobreviveu à emboscada no aeroporto contou que até os cães e o chimpanzé de estimação de Jonestown morreram ao lado dos moradores. "Percebi que Jones não pretendia deixar nada vivo, nem mesmo os animais, para testemunhar o horror final. Não haveria sobreviventes", escreveu no Washington Post, pouco depois da tragédia.

https://www.dn.pt/mundo/interior/foi-ha-40-anos-909-beberam-cianeto-era-o-fim-do-templo-do-povo-10195909.html

-----------

como podem multidões seguir malucos como este ?!



avatar
Altar
Membros
Membros

Mensagens : 1895
Likes : 58
Data de inscrição : 06/05/2013
Idade : 49
Localização : Lisboa - Alverca

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Foi há 40 anos: 909 beberam cianeto e era o fim do Templo do Povo

Mensagem por Vermute Rossi em Seg Nov 19 2018, 12:50

A seita de Jim Jones ficou muito conhecida durante anos por ajudar imensa gente em situação difícil. Penso que foi em São Francisco que este homem tinha uma espécie de clube de ajuda espiritual, ou então foi para lá que se mudou quando a organização começou a crescer. Toxicodependentes, sem-abrigos, e outros renegados pela sociedade americana podiam encontrar uma espécie de conforto e proteção. É bom relembrar que nesta altura os negros ainda eram vítimas de segregação racial, por isso não é de admirar que muitos dos seus seguidores eram de origem afro-americana. Juntando tudo isso, temos a receita ideal para que milhares se tivessem juntado a ele.


"A maioria dos psicólogos são como a maioria dos padres. Só dizem baboseiras, não resolvem nada, e também não servem para grande coisa. Mas conseguem fazer aquilo que muitos não fazem: Escutar."
avatar
Vermute Rossi
Membros
Membros

Mensagens : 391
Likes : 90
Data de inscrição : 30/06/2016
Idade : 27
Localização : Centro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum