EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Seja muito Bem-vindo!

Regista-te aqui e descobre a verdade sobre a "verdade"

Lê as regras e respeita-as

Alguma duvida a Adm/Mod está pronta a ajudar.



"Quando aceitamos tudo o que a Organização diz sem verificar, mostramos confiança na Organização. Mas, se mantivermos um espírito atento e examinarmos 'quanto a se estas coisas são realmente assim' (Atos 17:11), então, mostramos zelo para com Jeová. Para quem você mostra zelo?"

Cidadão norueguês e ex-Ancião é condenado à prisão em Espanha

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Cidadão norueguês e ex-Ancião é condenado à prisão em Espanha

Mensagem por Kristy123 em Seg Jan 21 2019, 12:57


Cidadão norueguês e ex-Ancião é condenado à prisão em Espanha

Este artigo foi publicado pelo jornal norueguês que publicou o artigo "Os Envelopes Azuis". Este artigo é anterior aos "Envelopes Azuis" e é citado nele.

veja aqui: http://testemunhasdejeova.forumeiros.com/t5229-os-envelopes-azuis#93376

Em todo o mundo, as Testemunhas de Jeová enfrentam milhares de acusações de que não estão fazendo o suficiente para evitar o abuso infantil. Um cidadão norueguês e ex-Ancião é condenado à prisão em Espanha, tendo abusado de uma menina de quatro anos de idade. Diz-se que o mesmo homem também abusou de crianças na Noruega.

Esta é uma versão traduzida de um artigo que foi publicado pela primeira vez em norueguês em 13 de abril de 2018
(https://www.fvn.no/nyheter/norgeogverden/i/xRWkJp/The-Elder)

Espanha, novembro de 2014:
Na pequena e convidativa cidade Altea, ligeiramente ao norte de Alicante, um homem norueguês de 84 anos vive com sua esposa. Ele foi casado anteriormente duas vezes, mas agora ele se estabeleceu. Na Costa Blanca, a Costa Branca, o homem vive em companhia de muitos noruegueses, a maioria deles aposentados. Alguns de seus amigos são membros da Congregação Escandinava das Testemunhas de Jeová em Altea.
Em sua congregação, ele tem um status elevado. Ele é um ancião. Isso significa que ele é um homem que fala nas reuniões, aquele a quem os outros ouvem, aquele que aconselha os outros que compartilham a sua fé. Ele está entre os que mantêm contato com a hierarquia na organização em torno de sua congregação. Ele é um a quem admiram. Ser um ancião é um privilégio. Em casa, em seu apartamento, a poucos quarteirões do Salão do Reino em Altea, ele e sua esposa são frequentemente visitados por sua filha e sua neta. Uma menina de quatro anos que o chama de "avô". Uma tarde, em novembro de 2014, eles os estão visitando novamente. Avó e "avô" são babás. Enquanto a vovó tira um cochilo, o "avô" abusa da criança sexualmente.

A mãe da menina volta para o apartamento antes do planejado e o apanha em flagrante. Ela imediatamente contata a polícia, a filial da Guardia Civil em Altea, e faz queixa do homem. Tanto ela como a menina são entrevistadas pela polícia. Este caso não é difícil de investigar. Não é frequente a polícia ter testemunhas oculares de abuso sexual de crianças. O homem é preso e, em sua primeira entrevista, ele admite o que fez. Mas a menina conta mais casos de abuso. Ela não se lembra exatamente quantos, ou quando. No entanto, a polícia amplia as acusações contra o homem para incluir repetidos abusos sexuais. O "Avô" nega isso. Ele recebe uma sentença por um caso de abuso confesso e é preso.

Em Altea, sua congregação fica em estado de choque.
- Ninguém viu isso acontecer, diz Odd Inge Tvedt, que é um ancião na congregação.

SUL DA NORUEGA
A detenção e prisão do agressor tem mais consequências. O homem era um ancião das Testemunhas de Jeová no sul da Noruega. Quando as notícias da Espanha chegam à sua antiga congregação, eles ficam em choque. Mas logo novas histórias sobre seu abuso sexual estão sendo contadas. No final dos anos 80, ele era altamente considerado e apreciado entre seus companheiros de adoração. Ele era viúvo, mas logo se casou novamente com uma mulher de sua congregação. A jovem filha de sua nova esposa tornou-se a sua próxima vítima.

- NÃO DIGAS À MAMÃ
– Eu me lembro de que é verão lá fora e da cor dos lençóis, diz a ex-enteada do homem. No momento em que o homem começa a abusar dela sexualmente, ela tem apenas nove anos. Ela pode-se lembrar claramente da primeira vez. Sua mãe está trabalhando até tarde, e a criança de nove anos tem uma amiga que pernoita. Lembro-me dele saindo do chuveiro e indo para o nosso quarto. Ele estava nu.
Ele ordena que durmam em sua cama e se coloca entre as duas meninas.
- Ele nos diz para tocá-lo. Seu pénis está ereto e ...
Ela pára de falar, demorando um pouco antes de continuar.
- Ele diz: "Agora é sua vez de se despir". Não me lembro o que aconteceu depois disso.
No dia seguinte, ele agarra-a com força pelas mãos dela e diz:
"Não diga à mamã".
A menina de nove anos mantém o segredo. E de novo e de novo, enquanto ela dorme e a mamãe está trabalhando, ele entra sorrateiramente em sua cama.
Eu me lembro disto mais vagamente, diz ela.
- Mas meu corpo lembra. Tem lembranças desagradáveis.
Ainda assim, ela pode reagir fortemente a certas formas de contato físico
– O que está deslocado da minha mente, meu corpo pode se lembrar.

O homem mantém o abuso bem escondido. Da congregação e da mãe das meninas. Após sete anos o casamento acaba.
Ele é excluído da congregação e se muda para Espanha. Há rumores de que ele foi cruel com sua esposa. Abuso sexual contra sua enteada, nunca é mencionado. Não até que a notícia da prisão na Espanha chegue ao sul da Noruega anos depois.


MAIS HISTÓRIAS
Novas histórias acusando-o de abuso sexual estão sendo contadas em sua antiga congregação, cinco ao todo. De seus familiares e de outros.
- Eu cresci com vários membros de sua família, e todos nós fomos Testemunhas de Jeová, mas nenhum deles me disse nada sobre isso, diz a ex-enteada do homem.
Uma das acusações diz respeito a uma neta. Alegadamente ele abusou dela por nove anos. Mas ninguém nunca falou sobre isso. Ninguém nunca disse a alguém que tivesse a capacidade de pará-lo. E o agressor foi capaz de continuar, com toda a probabilidade por mais de 50 anos. Várias vezes, nossos repórteres entraram em contato com o advogado de defesa do homem para ouvir o que ele tem a dizer sobre as recentes acusações da congregação no sul da Noruega. Nem o advogado nem o cliente desejam comentar o caso.
Mas o assunto é discutido repetidamente no Salão do Reino na Noruega.
- Absolutamente, diz a ex-enteada do homem.
- Eles têm sido bem claros, mesmo nas palestras, onde eles enfatizam: “Isso é inaceitável”, e “Isso afetou muitos de vocês”, e coisas assim.

Quando a sua própria história chega aos outros, após a prisão do homem na Espanha, um dos anciãos aparece em sua casa. Implora para ela compartilhar o que ela passou. Ela diz, ele escuta. Então ele começa a chorar. Os anciãos conversam com todos na congregação que contaram histórias semelhantes sobre o abuso do homem. Os anciãos discutem o assunto com o próprio departamento jurídico das Testemunhas de Jeová. Mas os anciãos não entram em contato com a polícia.
- Não, não é do meu conhecimento, diz a ex-enteada do homem.
– Eles nunca contataram a polícia como deveriam, quando souberam acerca do abuso sexual contra crianças.


DEVER DE RELATAR OU PREVENIR O ABUSO SEXUAL
De acordo com a lei norueguesa, straffeloven § 196, a falha em relatar ou evitar o abuso sexual contra crianças é punível com o máximo de um ano de prisão, se uma pessoa tiver forte suspeita ou conhecimento de tais crimes estando ocorrendo. Este dever aplica-se a todos e a confidencialidade não confere isenção da lei.


LIÇÕES BÍBLICAS NA SALA DE EXPOSIÇÃO
Durante o ano em que Fædrelandsvennen investigou este caso, continuamos voltando a uma questão essencial. O que os casos de abuso sexual têm a ver com as Testemunhas de Jeová? Eles não são os criminosos.
Tudo se resume às diretrizes internas das Testemunhas de Jeová e como elas instruem sua organização a agir quando sabem sobre casos de abuso. Visitamos o Congresso de Distrito anual da organização para encontrar algumas respostas. A maior sala de exposições da Noruega, em Lillestrøm, nos arredores de Oslo, mudou sua aparência habitual durante os dias de julho de 2017. Os corredores são cobertos por cadeiras, todas voltadas para a mesma direção de telas grandes e um pódio. Filas de carrinhos estacionados chamam a nossa atenção. Os homens e mulheres estão vestidos como se assistissem a uma festa.
A assembléia de milhares de pessoas é notavelmente silenciosa.
Leva apenas alguns segundos para que os guardas voluntários identifiquem os jornalistas. Nos perguntam quem somos, em um tom amigável, e eles nos recebem.
Toda a vez que conversamos com alguém, os guardas entram em contato com eles imediatamente depois. Mas podemos nos mover livremente e tirar fotos.
Nós viemos neste dia em particular por causa de um chamado simpósio. Um Ancião das Testemunhas de Jeová deve dirigir-se à assistência com um tema difícil. Como proteger as crianças contra abuso e perpetradores, às vezes dentro da organização.
Ele fala sobre a necessidade de proteger as crianças de todos os perigos, e a necessidade de contatar os anciãos se alguém souber que há algo errado, ou suspeitar que existe.


AMORDAÇADOS PELA ORGANIZAÇÃO
Quando a congregação no sul da Noruega ficou sabendo do suposto abuso sexual que os membros da família do “Ancião” sofreram quando eram crianças, eles imediatamente relataram isso internamente. Tudo de acordo com as diretrizes da JW. Todas as congregações escandinavas das Testemunhas de Jeová são organizadas sob a sucursal escandinava da JW em Holbæk, na Dinamarca.
Eles decidiram nomear duas pessoas (membros) para investigar o assunto e dar orientação espiritual aos necessitados. Os dois tinham títulos como Superintendente de Distrito e Superintendente de Circuito. Esses títulos estão associados a muita confiança, mais altos na hierarquia do que os Anciões comuns.
Eles não estão autorizados a falar com jornalistas sobre suas descobertas. Eles foram amordaçados pela sucursal na Dinamarca.
"Por causa do dever de confidencialidade, ninguém pode dar qualquer declaração sobre este caso", escreve Dag-Erik Kristoffersen em um email para Fædrelandsvennen.
Ele trabalha para o departamento de informações da filial escandinava das Testemunhas de Jeová. E ele não dá uma entrevista.


O SISTEMA DEVE SER NOTIFICADO
Na sala de exposições em Lillestrøm, falamos com René Stub Christiansen. Ele ajuda o departamento de informações quando Fædrelandsvennen faz perguntas sobre como as Testemunhas de Jeová lida com casos de abuso sexual. As diretrizes de como eles trabalham em casos de abuso são secretas. Existem versões vazadas destas diretrizes, escritas em outros idiomas, disponíveis na internet. Mas ninguém nos dará uma cópia de uma tradução norueguesa.
No entanto, recebemos uma apresentação oral do Sr. Christiansen e do Sr. Bent Markussen, que são responsáveis pelos serviços de informação na reunião anual em Lillestrøm no dia da nossa visita.
– De acordo com a Bíblia, o abuso sexual é um pecado grave. A congregação não vai proteger uma pessoa culpada por isso, não importa quem tenha feito isso, declara Markussen.
Uma questão central é: O que é preciso para a congregação envolver a polícia?
Quando os anciãos ouvirem sobre esse caso, dois anciãos deverão ligar imediatamente para o departamento jurídico. Eles vão-se certificar de que as regras e regulamentos sejam cumpridos. Nós os guiamos na relação entre a obrigação de confidencialidade e a obrigação de dizer e prevenir, diz Christiansen.
Outro ancião que ouve a entrevista, o Sr. Kolbjørn Kristiansen, interrompe:
- "Nunca diga a ninguém para eles não irem à polícia", é uma das nossas diretrizes, diz ele.
Um aspecto a considerar é se o abuso está em andamento ou se ocorreu há muito tempo. Muitas histórias sobre abuso sexual de crianças não são conhecidas antes de anos mais tarde.


PROCESSO INTERNO
Uma coisa que se destaca nas orientações das Testemunhas de Jeová sobre abuso sexual é que a organização se compromete a investigar todas as acusações. Esse processo interno ocorrerá haja ou não uma investigação policial. O propósito de um processo interno é dar orientação espiritual aos envolvidos no caso, entender os fatos e decidir se a pessoa acusada do abuso ainda pode ser considerada uma Testemunha de Jeová.
– Você entrevista as vítimas antes que a polícia as entreviste?
– É importante não orientar a criança de uma forma que possa afetá-la. Depende também de quanto tempo se passou desde que aconteceu, diz René Stub Christiansen.
Quando os anciãos ouvirem sobre um alegado abuso sexual, eles informarão isso dentro da hierarquia das organizações. Os casos noruegueses são tratados pela sucursal escandinava na Dinamarca. Eles decidem quem deve lidar com cada caso internamente.
Dois anciãos são nomeados. Sempre dois homens.
– Sua tarefa é dar orientação espiritual. Evidência num processo criminal, isso é que é para a polícia lidar, diz Christiansen.
Ele adiciona:
-  Mas talvez precisemos verificar alguns fatos, para descobrir se uma pessoa pode ou não permanecer uma Testemunha.
As diretrizes das Testemunhas de Jeová sobre esse assunto não são esculpidas em pedra. As diretrizes foram sujeitas a revisão no final de 2017.
Anteriormente, a organização praticava uma rotina em que a vítima tinha que contar em detalhes sobre o que acontecia, diante dos Anciãos, com o agressor presente, permitindo que ele contradizesse e ouvisse. Uma regra essencial tem sido a “regra das duas testemunhas”, que requer duas testemunhas, a menos que haja uma confissão ou evidência técnica. A menos que duas testemunhas pudessem ser produzidas, nenhuma culpa poderia ser provada.


CASOS INTERNACIONAIS
A prisão do “Ancião”, que chocou a congregação na Espanha e no sul da Noruega, está longe de ser o único caso de abuso sexual com o qual as Testemunhas de Jeová tiveram que lidar nos últimos anos.
O que torna esta história única é que o homem foi condenado em um tribunal e está passando um tempo na cadeia.
Internacionalmente, houve milhares de supostos casos de abuso envolvendo Testemunhas de Jeová no ano passado. Um ponto crítico na maioria dos casos, é a crença de que a organização não está compartilhando informações suficientes com a polícia.
Alguns até alegaram que a informação foi ativamente retida da polícia ou de processos judiciais. As Testemunhas de Jeová negaram isso em várias ocasiões, mas a questão pode ser levantada em tribunais em vários países nos próximos anos.
Na Austrália, por exemplo, o número de casos de abuso sexual dentro da JW passou de mil. Estes são casos relatados entre meados dos anos 50 e 2015.
“Estou extremamente preocupado, mas não surpreso, com as alegações de abuso infantil dentro do movimento das Testemunhas de Jeová. Sempre que há uma sociedade fechada com um desequilíbrio de poder inerente, o potencial de abuso está presente ”, disse a deputada trabalhista Sarah Champion, de acordo com o The Guardian.


AUDIÇÃO NO REINO UNIDO
Uma audiência da Comissão Real foi informada de que muitos desses casos não haviam sido relatados, relatou o The Guardian.
Desde 2015, o caso só cresceu em extensão.
Fædrelandsvennen compartilhou algumas informações sobre esta história com o The Guardian, e aprendeu com seu trabalho sobre os mesmos problemas.
No Reino Unido, o Inquérito Independente sobre Abuso Sexual de Crianças (IICSA) propôs uma audiência separada depois de ter recebido um grande número de relatórios sobre abuso infantil na JW.
The Guardian constrói seu relatório em mais de cem fontes, entre elas 41 que contam ao jornal sobre os abusos que sofreram.


MULTAS DIÁRIAS NOS EUA
Nos EUA, a Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, o corpo organizacional das Testemunhas de Jeová, recebeu US $4.000,00 em multas diárias por não entregar documentos detalhando o abuso de crianças. Os documentos em questão eram documentos internos na JW sobre os casos de abuso, que um advogado havia solicitado em preparação para uma ação judicial.
O Centro de Reportagem Investigativa na Califórnia tem um site chamado Reveal News. Eles publicaram uma série de artigos e um podcast sobre como as Testemunhas de Jeová ao longo dos anos retiveram informações detalhando casos internos de abuso sexual.
Alguns dos documentos foram compartilhados pelo Reveal News em sua forma original, juntamente com outros materiais escritos que foram usados em seu jornalismo.


TRÊS MILHÕES DE DOCUMENTOS
O advogado Irwin Zalkin representa vítimas de abuso sexual. Em preparação para um processo contra as Testemunhas de Jeová, ele queria ter acesso a documentos no arquivo da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, detalhando como a organização lidou com esses casos desde os anos 50.
– Você está falando de 14.400 congregações e mais de 3 milhões de documentos que foram digitalizados que teriam que ser pesquisados. Levaria anos para fazer isso, disse Richard Ash, um porta-voz da Torre de Vigia.
A declaração foi gravada e incluída como parte da preparação de Irwin Zalkins para o processo. Reveal News publicou a declaração em seu podcast.
Irwin Zalkin resolveu os casos para seus clientes há algumas semanas. O período com multas diárias acabou e os clientes da Zalkin receberam uma quantia que permanecerá confidencial.


POLÍCIA NORUEGUESA QUER INTERROGAR
Para o conhecimento de Fædrelandsvennens, a polícia nunca foi contatada por nenhum dos anciãos da comunidade no sul da Noruega sobre os supostos casos de abuso sexual na Noruega. Mas um indivíduo denuncia-o em particular, e uma investigação é iniciada, mesmo que uma possível acusação esteja desatualizada.
A polícia espanhola é contatada através do sistema internacional e, se possível, a polícia norueguesa deseja interrogar o homem que agora está preso na Espanha. Mesmo se o caso estiver desatualizado, tê-lo a admitir as acusações pode fazer uma enorme diferença para a vítima.
A polícia norueguesa recebe os arquivos do caso, mas nunca é dada a oportunidade de interrogar o homem. Eventualmente, no outono de 2015, eles são forçados a fechar o caso.


Sentença de 4 anos
Por esta altura, a investigação espanhola já está encerrada. O homem, que ainda está preso, é indiciado por vários incidentes de abuso sexual contra a criança de 4 anos de idade.
Em dezembro de 2015, o julgamento é definido em tribunal penal de Alicante. O promotor exige que ele seja condenado a seis anos de prisão. Mas durante o julgamento, o homem agora nega o abuso contra a menina, mesmo que ele já tenha admitido um incidente durante um interrogatório policial. E mesmo que ele tenha assinado uma declaração por escrito, ele agora afirma que foi mal interpretado pelo intérprete que traduziu do espanhol para o norueguês.
Em sua nova declaração, ele afirma que a menina se despiu voluntariamente, ou que sua calcinha possivelmente saiu por acidente.
O tribunal não acredita no “Ancião”, e ele é condenado a quatro anos de prisão, com 5 anos de liberdade condicional.
Além disso, ele tem que pagar a ela 5.000 euros por danos punitivos. Mas ele foi apenas condenado por um incidente de abuso sexual. E ele nunca foi confrontado com as acusações da Noruega.
Foi uma equipe da Guardia Civil, especializada em investigar abuso sexual, que lidou com o caso.
– A investigação em si, foi realizada a partir de Altea. Mas a coordenação e acompanhamento desta equipe, encontra-se aqui no escritório principal da província de Alicante, diz assessor de imprensa da Guardia Civil, David Hermoso, no momento da nossa visita.
Ele, juntamente com seu colega Beatriz Garcia, concordou em encontrar-nos para analisar o caso. Mas eles não são capazes de explicar por que a polícia norueguesa nunca teve a oportunidade de interrogar o homem sobre os supostos incidentes na Noruega.
– Ele não tinha antecedentes criminais, nem aqui na Espanha, nem na Noruega, diz Hermoso.
– Se as mulheres norueguesas quisessem dar declarações, a polícia norueguesa teria que nos ter contatado através do nosso escritório para assuntos internacionais em Madri.
– A polícia norueguesa fez exatamente isso, mas nunca conseguiu responder se era possível interrogá-lo ou não. Na sua opinião, por que isso aconteceu?
– O caso em si foi simples de investigar devido ao fato de a mãe da criança ter presenciado o abuso. Mas, novamente, ele não tinha antecedentes criminais, não havia outras testemunhas, fotografias, vídeos ou outras evidências relacionadas ao abuso sexual de crianças. É por isso que encerramos a investigação tão rapidamente. Eu acho que esta deve ser a explicação.
– Sabemos que a Guardia Civil fez contato com a congregação das Testemunhas de Jeová durante a investigação. Eles estavam dispostos a compartilhar informações com você?
– Como parte de qualquer investigação, o Guardia Civil faz contato com pessoas que têm relação com a pessoa acusada. Se ele pertence a uma congregação, a Guardia Civil irá questioná-los, diz Hermoso.
Sua colega, Beatriz Garcia, enfatiza a importância de obter uma condenação neste caso.
– Muitas vezes, em casos como este, não temos testemunhas nem provas sólidas. Desta vez, há uma testemunha adulta confiável, em um dos casos. No entanto, a criança disse que isso aconteceu repetidamente. Mas desta vez foi o suficiente para obter uma sentença judicial, diz ela.
A Guardia Civil não conseguiu encontrar provas para provar os outros casos que a criança contou. Por isso, “o Ancião” recebeu uma sentença de prisão relativamente curta.
– Se ele tivesse sido condenado por vários casos de abuso, sua sentença teria sido mais longa. Absolutamente, diz Hermoso.


PROCESSO INTERNO
"O Ancião" em nossa história pertencia à congregação das Testemunhas de Jeová da Escandinávia em Altea. A congregação se mudou desde a sua prisão. Suas reuniões são agora realizadas em um novo Salão do Reino em uma área industrial nos arredores da aldeia La Nucia. Enquanto dirigimos por lá, passamos pela Colônia da Noruega e pelo Parque Escandinavo.
Um Salão do Reino é usado por diferentes congregações das Testemunhas de Jeová. Eles usam a mesma sala em momentos diferentes durante a semana. Pouco antes das 18h de domingo, o Salão do Reino em La Nucia está cheio de cidadãos suecos e noruegueses, e alguns da Dinamarca.
Apenas 40 almas encontram o caminho para as cadeiras no dia. Diante de um pódio e de um microfone, há pouco que lembre a estética que você encontrará em uma igreja católica ou mesmo luterana. O interior é modesto, quase espartano.
30 dos membros das congregações estão ausentes hoje, devido a um esforço missionário para os escandinavos em Maiorca, é-nos explicado.
Odd Inge Tvedt recebe-nos. Ele tem sido um Ancião por vários anos e ainda é.
Pedimos que possamos estar presentes na reunião e conversar com ele depois. O tópico: Como o grupo lidou com o caso em que um dos irmãos anciãos foi apanhado por abusar sexualmente de uma criança.
Depois de quase duas horas de palestras, canções e estudos bíblicos, a reunião acabou e as pessoas se despedem.
Os dois anciãos nos mostram a sala da biblioteca no Salão do Reino e concordam em nos informar sobre o caso.
– Este é um caso muito sensível, diz Jovan Malajescu, em sueco.
– Eu conheço bem o caso. Eu tive que lidar com isso, diz Odd Inge Tvedt.
Os dois Anciãos confirmam que é como pensamos: o homem de quem estamos curiosos estava no ativo e era Ancião quando ele abusou da garota.
- Sua aparência era cheia de amor e ele era uma pessoa muito inclusiva, boa para as pessoas ao seu redor, diz Tvedt.
– Você tem a sensação de ter sido enganado. Isso realmente me afetou. Eu fui profundamente afetado quando aconteceu.
Tvedt e Malajescu falam sobre as diretrizes centrais das Testemunhas de Jeová para lidar com casos de abuso sexual. É necessário iniciar um processo interno para descobrir se a pessoa acusada ainda pode ou não ser uma Testemunha de Jeová. Isto deve ser feito haja ou não uma investigação criminal pela polícia.
– Cumprimos a legislação espanhola nestes casos e com a lei norueguesa. Mas, além disso, temos nossas diretrizes internas.
– Se aprendermos sobre casos envolvendo abuso de crianças, pedimos que a polícia seja contatada. Um papel fundamental para nós é apoiar as vítimas, assim como as outras pessoas envolvidas. Em tais casos, pode haver muitas pessoas que estão tendo dificuldades. Às vezes, as pessoas também podem precisar de ajuda para denunciar o caso à polícia, diz Tvedt.
Neste caso, foi a mãe da vítima que relatou "O Ancião" à espanhola Guardia Civil.


PODE RETORNAR
Além do processo policial, havia um processo separado dentro das Testemunhas de Jeová, como é exigido nas diretrizes internas.
– Eu não posso entrar em detalhes sobre nossas investigações nesse caso. Mas eu posso te dizer como isso foi concluído. Este homem não é mais uma Testemunha de Jeová. Ele foi excluído, diz Tvedt.
Mas há algum caminho de volta para a congregação depois disso? Existe perdão para encontrar tal crime?
– Sim, isso é possível. O perdão é possível quando há um arrependimento sincero e as pessoas mostram que estão dispostas a mudar. No entanto, perdão e confiança não é a mesma coisa. Ele pode voltar e participar de reuniões. Mas ele nunca mais terá privilégios e responsabilidades, e nunca estará sozinho com as crianças na congregação. Todos os pais serão avisados fortemente contra essa pessoa, diz Tvedt.
– Quando o caso aqui na Espanha ficou conhecido, casos semelhantes de abuso envolvendo o mesmo homem surgiram de vítimas no sul da Noruega. Você sabia dessas histórias?
– Não antes. Não. Veio como um choque. Mas como ele foi exposto, não é muito surpreendente, na verdade. Pessoas que fazem esse tipo de coisa raramente mudam de comportamento. Eles podem continuar fazendo isso por muito tempo.


CARTÕES DE PUBLICADOR
"O Ancião" de nossa história foi apanhado no ato por uma testemunha adulta. O tribunal acreditou tanto nela como na criança que era sua vítima, embora apenas este incidente tivesse evidências suficientemente sólidas para condenação. Mas o que fazem as Testemunhas de Jeová quando há apenas o testemunho de um filho contra um adulto?
– É difícil quando você tem apenas um conto infantil de algo que aconteceu. Você pode avisar outros pais na congregação. Mas há pouco no assunto para levar à polícia, se não houver provas, diz Jovan Malajesku.
- Quando há o suficiente para envolver a polícia?
– Está claro, se duas ou mais crianças contam histórias sobre o mesmo homem, então o primeiro testemunho de uma criança é fortalecido. Então devemos reportar à polícia, diz Malajescu.
Tvedt diz que as Testemunhas de Jeová têm um sistema com o que chamam de “cartões de publicadores”, onde estão informações sobre todos os membros batizados da organização. Este documento é passado adiante aos Anciãos sempre que uma pessoa se muda e vai para outra congregação.
– Se escrevermos informações sobre casos como este nas fichas dos publicaores, então a nova congregação pode estar ciente das alegações anteriores, diz Tvedt.


SENTE-SE TRAÍDA
A esposa do "Ancião" ainda vive em Altea. Eles não estão formalmente divorciados, mas ela diz que ele nunca pode voltar para ela. Neste domingo ela está presente no encontro no Salão do Reino em La Nucia. A congregação ainda é importante para ela, e eles a apoiaram durante um período difícil.
Sua atitude é calorosa e receptiva, mas ela não quer dar uma entrevista. Acima de tudo, o que ela deseja é esquecer todo o caso.
Ainda assim, ela nos revela que nunca suspeitou de seu marido, mas se sente enganada por ele, todo o casamento foi construído sobre mentiras.
Os supostos casos de abuso sexual contra várias crianças na Noruega são conhecidos por ela. Mas que ninguém a avisou sobre o marido antes que fosse tarde demais, ela acha que pode ser devido ao fato de que esses incidentes ocorreram há muitos anos, numa época em que tais casos não eram discutidos na sociedade em geral.
Ela está aliviada que o homem foi condenado, e que ele ainda está preso. Na opinião dela, ele merece isso. Agora, ela só quer continuar com sua vida.


RECUSA FALAR
A prisão Centro Penitenciario está localizado nas proximidades da pequena aldeia Villena na província de Alicante. O lugar é desolado, e as altas cercas de arame farpado não deixam nada à imaginação sobre o tipo de instalação que é. É aqui que o homem agora está cumprindo o último ano de sua sentença. Quando ele for liberado, provavelmente algures no outono de 2018, ele completou 88 anos. Além disso, ele tem cinco anos de liberdade condicional, então se ele cometer outro crime, ele pode esperar não apenas mais tempo de prisão, mas uma sentença muito mais dura no tribunal.
Fædrelandsvennen, com a ajuda de um jornalista investigativo espanhol, tentou entrar em contato com o homem através de seu advogado. Queríamos ouvir a versão do caso “O Ancião”, especialmente se ele tivesse algum comentário sobre as acusações de várias mulheres em sua antiga congregação na Noruega.
O nosso colega espanhol relata que o homem não tem vontade de falar connosco. Em vez disso, ele instruiu seu advogado para nos transmitir a seguinte mensagem:
"Vocês pode ir se foder".


MARÇO DE 2018
Na pequena cidade no sul da Noruega, a ex-enteada do homem se lembra ainda mais. Ela precisa de ajuda profissional para recordar episódios, tantas coisas foram deslocadas de sua mente. É doloroso para ela e difícil para toda a sua família. Ela ainda vai e volta para saber se ela deve denunciá-lo à polícia pelo que ele fez com ela.
– Eu considerei reportá-lo mais de uma vez, ela diz.
O que realmente a atingiu foi quando um jornal espanhol relatou que era uma circunstância atenuante que o homem nunca antes tivesse cometido abuso sexual.
– Eu me senti muito, muito zangada por dentro, porque isso simplesmente não é verdade.
O caso dela está ultrapassado, mas casos como o dela muitas vezes são investigados na Noruega, de qualquer maneira, se forem denunciados à polícia.
– Acho que os anciãos de nossa congregação aqui no sul da Noruega deveriam ter ido à polícia e dito que o caso na Espanha tem uma história semelhante aqui. Eu poderia ter relatado minha própria história para a polícia, mas não as histórias de outras pessoas. Isso é o que eles, os anciãos, deveriam ter feito. Mas eles não fizeram. Isso é o que realmente me decepciona. Porque um caso como este, nunca desaparece ou fica desatualizado para a pessoa que é abusada. Essa dor fica com você pelo resto da sua vida.


"SEM COMENTÁRIOS"
Fædrelandsvennen fez vários contatos com o Ancião que atualmente está no comando da congregação do homem no sul da Noruega. Ele foi informado do conteúdo deste artigo, bem como a crítica da enteada anterior do homem condenado.
Ele não nos quer dar nenhum comentário.


Fontes:
https://www.desperta.net/notiacutecias/o-anciao
https://www.fvn.no/nyheter/norgeogverden/i/xRWkJp/The-Elder


TESTEMUNHAS DE JEOVÁ:

As Testemunhas de Jeová foram fundadas em 1870 por Charles Taze Russel nos EUA.
–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
Hoje, as Testemunhas de Jeová contam com 120.053 congregações espalhadas por 240 países, governadas pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados.
–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
A organização é altamente dedicada ao que elas entendem como sendo o conhecimento correto da Bíblia. Armagedom é um tema central para a JW, que acreditam que estamos vivendo literalmente nos últimos dias.
–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
Em todo o mundo, a JW conta com 8.457.107 membros de acordo com seu último relatório anual. Destes, 11.652 membros pertencem às congregações norueguesas.
–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
A JW distribui suas publicações e vídeos escritos em um grande número de idiomas e tem exatamente o mesmo conteúdo em todos os países ao mesmo tempo.
–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
Os membros das Testemunhas de Jeová sofreram assédio em muitos países. A Rússia proibiu toda a organização.
Kristy123
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4629
Likes : 269
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 99
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum